Palavra mágica

hocuspocusHocus pocus! Sinsalabim! Precisamos de foco! Magia para você e para mim!

Sim, eu sei que a rima ficou horrível. Pode criticar à vontade nos comentários.

O tema de hoje é palavra mágica e, com isso, sugiro a você que pense como você quer que seja este ciclo atual em que está vivendo. Para alguns, isso significa este ano de 2016, para outros, o ano pessoal (que começa no aniversário)…

Essa palavra mágica vai servir como inspiração ao longo do ciclo. Pense naquilo que você quer alcançar e reduza isso a uma simples palavra – resista a ideia de usar uma frase: uma palavra precisa bastar. – Se for o caso, utilize a sua carta pessoal neste ciclo para definir o foco da sua palavra, mas encontre uma que se adeque ao que você deseja verdadeiramente.

Uma vez decidido, escreva essa palavra diversas vezes. Se você tem um diário tarológico, anote sua palavra mágica no rodapé ou no cabeçalho das páginas. Mude o papel de parede do seu computador e do seu smartphone para algo que contenha a palavra. Escreva bilhetinhos com a palavra e coloque em alguns bolsos para que você encontre depois casualmente…

Toda vez que você estiver com problemas ou passar por uma situação complicada, lembre-se desta palavra neste ciclo e veja como ela pode ser aplicada para trazer seu foco de volta.

Para mim, por conta de ser um Ano do Hierofante, minha palavra é ensino. Este blog é a prova disso, assim como as muitas aulas que tenho dado. Quando me pego sem inspiração, lembro da minha palavra mágica e me pergunto: o que eu posso ensinar hoje?

Isso tem me ajudado bastante. Acredito que também ajude você.

Qual sua palavra mágica?

Aprimorando a intuição

2_18Aproveitando a chegada da lua cheia, que tal fazer um pequeno ritual para aprimorar sua intuição? Para isso, o ponto principal é usar duas cartas que lidam diretamente com isso: o Arcano II. A Sacerdotisa e o Arcano XVIII. A Lua.

Recomendo fazer este ritual à noite ou, ao menos, em um lugar escuro. Tenha em mãos os dois Arcanos mencionados acima, uma vela azul escura ou violeta/roxa (não vou entrar no mérito de nós, homens, reconhecermos menos as diferenças de cor do que as mulheres), um incenso de lírio ou de sândalo, um cálice com água e uma pedra da lua. Lembre-se de não ter nada por perto que perturbe seu estado de relaxamento.

Estando relaxado, acenda a vela. Deixe que a chama dance diante de você.

Depois, veja o reflexo da chama da vela na superfície do cálice com água (erga a vela se preciso). Veja a ação e o desejo do fogo se manifestar na emoção da água. Sinta isso.

Acenda o incenso. Permita que o aroma preencha o ambiente.

Então, pegue a pedra da lua e leve-a para a fumaça do incenso. Assim como fogo e água foram unidos anteriormente, agora você une ar e terra.

Traga a pedra da lua para sua fronte e feche os olhos, tornando-se receptivo para que vier.

Quando julgar estar pronto, deixe a pedra de lua diante de você e pegue o Arcano II. A Sacerdotisa e o Arcano XVIII. A Lua. Veja-os sob a iluminação da vela. Perceba os detalhes das cartas que você, normalmente, não nota quando está em um local bem claro. Permita que o facho de luz na escuridão lhe mostre os segredos que você não vê sob a luz.

Com as duas lâminas diante de você, procure compreender como II. A Sacerdotisa lhe ensina os mistérios que só se revelam sob XVIII. A Lua. Medite sobre o significado desses dois Arcanos e, mais do que isso, sobre a transição do conhecimento racional para o intuitivo.

Deixe que II. A Sacerdotisa retire o véu diante de seus olhos para que você contemple XVIII. A Lua como ela realmente é.

E, quando estiver preparado, encerre o ritual deixando que a vela se consuma por inteiro, tendo as duas lâminas perto dela (para isso, um castiçal que não transborde é uma ótima coisa para se ter).

Carregue a pedra da lua com você até a próxima lua cheia, quando você então agradecerá pelo aprimoramento da sua intuição. Nesse período, esteja atento a insights e outros palpites que tiver sobre as coisas.

E você, tem alguma dica de como aprimorar a intuição?

Passividade ou atividade?

Criado por Jacob Andrews

Algumas pessoas têm uma atitude passiva com relação ao tarot. Elas acreditam demais no destino, aceitando que tudo o que acontece com elas é pré-determinado, como se Maktub! fosse a resposta para tudo.

Isso é passividade. É encarar o tarot apenas como um oráculo que visa revelar um destino que não pode ser alterado.

Busco trazer uma outra atitude para meus clientes: quero que eles deixem esse lado passivo de lado e passem a atuar com atividade real. Permito que eles compreendam que não são peões num jogo, mas verdadeiros co-criadores de seus destinos.

Eles passam a compreender que as cartas revelam aquilo que tende a acontecer se nada mudar e, de posse desse conhecimento, passam a atuar de maneira a moldar sua realidade de acordo com sua Verdadeira Vontade.

Manifeste seu destino. Crie seu destino. Mude seu destino.

É assim que você se torna verdadeiro herói na sua vida, e não apenas uma personagem secundária.

Ou, para você, o destino é imutável?

Seu Diário Tarológico

DiárioUma das práticas mais recomendadas por tarólogos experientes é a de manter um Diário Tarológico (tradução livre de Tarot Journal). O objetivo disso é estabelecer sua própria conexão com as cartas e mostrar a você, com o passar do tempo, como sua compreensão acerca delas muda.

Isso acabará, cedo ou tarde, transformando-se no livro de tarot mais importante para você, pois será o mais completo e o mais dotado de significado. Nenhuma outra obra no mercado terá tanto valor quanto o seu próprio Diário Tarológico (mas, até lá, leia bastante).

A questão é que muitos não sabem por onde começar. É sobre isso que quero falar hoje.

Em primeiro lugar, você precisa de um local para armazenar suas ideias. Alguns preferem folhas encadernadas à mão, outros querem usar cadernos ou agendas prontas, uns ainda buscam um meio eletrônico (como um editor de textos ou mesmo um blog – que não precisa ser público). O importante é encontrar seu ponto de afinidade e criar o hábito de registrar sua jornada tarológica diária.

Feito isso, é importante estabelecer um padrão de escrita. Isso garante que seu foco esteja na interpretação da carta e no que ela pode trazer de insight para você. Para tanto, deixo aqui uma sugestão:

  • No topo da página, escreva a data
  • Logo depois, identifique o tarot usado e o Arcano revelado
  • Anote suas primeiras impressões acerca da lâmina, sem pre-concepções acerca de seu significado padrão
  • Escreva sua interpretação acerca da carta (agora revertendo ao que você sabe dela)
  • Por fim, busque uma frase ou texto que tenha a ver com o Arcano (como aquelas mensagens e frases inspiradoras que costumamos encontrar nas redes sociais, sempre com uma imagem calma de fundo) e registre-a ali

É isso. De maneira prática, seguindo esse padrão, em 5 minutos você fez seu registro tarológico diário. É claro que isso não deve terminar por aí, pois é importante meditar acerca dessa carta e ver como ela ressoa no seu dia, mas já é o primeiro passo.

E você, tem um Diário Tarológico? Como você faz seus registros?

Altar portátil

4 AcesVocê é praticante de magia (Bruxaria Natural, Wicca, Hermetismo etc.) e precisa realizar um ritual mas está longe de seu altar?

Ter o altar diante de você é necessário para o que está tentando fazer?

Seus problemas acabaram! Com o Kit dos Quatro Ases do Tarot você tem um altar portátil pronto para ser usado!


Ok, falando sério agora. Brincadeiras à parte, é possível criar um altar usando os ases do tarot.

Mas, primeiro, lembre-se de que você, como magista, possui em você mesmo todas as ferramentas para alcançar o que desejar: seu corpo é Terra, sua respiração é Ar, sua vontade é Fogo, seu sangue é Água. Os quatro elementos estão em você.

E, se realmente precisar de um altar físico mas não tiver os itens apropriados, basta pegar seu tarot para formá-lo.

Chamo de altar portátil porque é exatamente o que ele é: você não precisa de um cristal ou prato de sal se você tem o Ás de Ouros; nem mesmo um atame se você tem o Ás de Espadas; ou ainda um bastão ou uma vela se você tem o Ás de Paus; nem uma taça com água se você tem o Ás de Copas.

Basta dispor os ases diante de você e começar seus trabalhos. E, se para você uma representação do Deus e da Deusa se fizerem necessárias, pegue também os Arcanos IV. O Imperador e III. A Imperatriz e os coloque junto ao altar.

Prático, rápido, simples, sem precisar acender velas ou incensos. E, se você estiver usando um daqueles tarots em tamanho mini, dá para colocar até na mesa de trabalho sem que notem o ritual que está sendo feito.

Mas convenhamos: se você estiver precisando realizar um ritual em pleno expediente de trabalho, as coisas por aí não devem estar nada boas, não é?

Essa dica mágica é uma simplificação daquilo que é descrito no livro Portable Magic, de Donald Tyson. Se você quiser saber mais sobre isso, recomendo que adquira o livro.

Ah, por fim, outro detalhe: não uso o mesmo tarot que faço leituras e estudos para trabalhos mágicos. Não gosto de misturar as energias, então deixo um tarot separado exclusivamente para esse fim. Acho interessante que você faça o mesmo.

Mas e você, já fez rituais usando o tarot?