5168-05 Profissão: tarólogo

5168Entre na página da Classificação Brasileira de Ocupações (CBO daqui em diante). Digite, no campo de pesquisa da barra lateral direita, a palavra tarólogo e clique em pesquisar.

Se nada mudou, você chegará a uma página de resultados que aponta o código 5168-05 como sendo correspondente à ocupação. Clique no link em negrito escrito tarólogo lá naquela página.

Uma nova página se abre, contendo a descrição da família 5168: Esotéricos e paranormais. Logo abaixo, nos títulos, junto com cartomante, leitor de oráculos, vidente e runemal você verá a palavra tarólogo.

E quem são os tarólogos para o Ministério do Trabalho e Emprego? São aqueles que orientam pessoas e organizações, elegem momentos e locais por meio de oráculos ou de dons de paranormalidade. Podem ministrar cursos.

Legalmente somos reconhecidos. Ainda temos o trabalho de lidar com o preconceito daqueles que atribuem significados sombrios aos oráculos e, além disso, precisamos nos desvencilhar dos que buscam se aproveitar da credulidade alheia (sim, tarólogos de poste, estou falando sobre vocês), mas é um passo importante.

Mas não se prenda apenas a isso. A CBO indica as competências que nós, tarólogos, precisamos ter. Para poupar o trabalho de vocês, compilei tudo na imagem que ilustra esta postagem. Contudo, por ser de relevância extrema, replico-as aqui também:

  1. Demonstrar capacidade de transmitir conhecimento
  2. Manter equilíbrio
  3. Cultivar ética
  4. Demonstrar capacidade de análise e síntese
  5. Demonstrar coerência
  6. Demonstrar habilidade na interação com o público
  7. Desenvolver cultura geral
  8. Demonstrar empatia
  9. Demonstrar senso crítico
  10. Comunicar-se fluentemente (ser comunicativo)
  11. Manter-se discreto
  12. Manter-se imparcial
  13. Respeitar o livre arbítrio do cliente
  14. Demonstrar paciência

14 competências, que nos remete ao Arcano XIV. A Temperança, que fala sobre equilíbrio e moderação.

Assim, convido vocês a reavaliarem o que têm feito no dia a dia como tarólogos. Estamos todos cultivando essas 14 competências ou precisamos encontrar nosso ponto de equilíbrio uma vez mais? O que nos falta? O que precisamos aprimorar?

Ou, em outras palavras, o que, de fato, transforma nossa prática em algo que possa realmente orientar quem busca nossa ajuda?

Deixe um comentário