Bênçãos de Samhain

Fui convidado pela Rainha dos Mortos a compartilhar de sua bebida, e o fiz. Meus olhos encontraram os seus e, enquanto sorvia o amargo líquido, vi a revoada de corvos atrás dela. Naquele momento, éramos iguais na jornada.

Isso pode resumir um pouco do que foi meu Samhain, celebrado junto da Ordem Druídica Ramo de Carvalho na maravilhosa Vila de Paranapiacaba (palco da XIV Convenção de Bruxas e Magos, e também do VIII Encontro Brasileiro de Druidismo e Reconstrucionismo Celta — vocês vão, não é?).
Depois, já de volta, fiz meu próprio rito pessoal de Samhain, sob a chama que ilumina os dias frios do inverno que se aproxima, anunciando a vinda da Cailleach, aproveitei para uma série de leituras auspiciosas nesse momento em que o véu é tão fino entre os mundos.

E, aproveitando, compartilho com vocês uma tiragem específica para este período.

Leitura para Samhain

Esta é uma tiragem de seis cartas, lidando com o Mundo Superior e o Mundo Inferior. As cartas devem ser dispostas da seguinte maneira:

3 – 1 – 5
4 – 2 – 6

1. Vida: o que receber neste momento?
2. Morte: o que deixar para trás?
3. Minha coragem: o que me dá forças neste momento?
4. Meu medo: o que preciso enfrentar?
5. Celebrar: pelo que devo ser grato?
6. Contemplar: sobre o que devo meditar neste momento?

Construindo pontes

pontesDizem que mais importante construir pontes do que erguer muros. Isso se refere a criar conexões entre o agora e o que se deseja alcançar, ao invés de simplesmente romper laços.

E, como tudo o que é simbólico, é possível encarar essa questão de maneira tarológica. Para tanto, proponho a tiragem abaixo.

Gosto de encará-la como algo mágico, pois me permite construir uma relação de Vontade Verdadeira com meu Eu atual. Muitas vezes sabemos onde queremos chegar, mas nos falta uma diretriz acerca de como proceder para transformar nosso momento presente no futuro que desejamos.

São três as cartas utilizadas, dispostas em uma linha horizontal. A primeira carta (situação atual) é colocada à esquerda, a segunda (o que se deseja alcançar) à direita, e a terceira (a ponte) fica ao centro.

1. Situação atual / Momento presente. Representa qual é o status quo, o que se está vivenciando agora.

2. Desejo. Identifica o que se almeja conseguir, aquilo que se quer verdadeiramente (muitas vezes escondido atrás da vontade consciente).

3. Ponte. Ligando as outras cartas, simboliza o passo que deve ser dado, a essência do movimento que leva você de um lugar a outro.

E você, chegou a usar essa tiragem? O que achou?

Tiragens improvisadas

Dados de TarotConsiderando o caos da evolução humana, e a sequência de acasos singelos que deu vida a tudo neste planeta, assim como o mero acaso de 1 entre 250 milhões de espermatozoides ter dado origem a mim.

É muito acaso junto. É muita coincidência.

E, em meio aos acasos da vida, uma coisa que pode surgir de vez em quando é aquela questão de um cliente que, via de regra, não se encaixa em tiragem padrão alguma.

Entenda como tiragem padrão toda tiragem que o tarólogo tem memorizada ou de fácil consulta, podendo se encaixar para os mais diversos assuntos. Não existe, porém, algo que seja genérico, e cabe a um bom profissional aplicar sua teoria ao caso concreto.

Mas o que fazer nesses casos incomuns? Simples: improvise uma tiragem.

Sério.

Afinal, o que é uma tiragem (ou mandala, ou qualquer outro nome bonitinho que você quiser usar)? Em termos bem simples (simples mesmo), é como se fosse uma frase com lacunas, que você pode preencher de acordo com critérios.

Vamos a um exemplo. Digamos que você tenha de preencher a seguinte frase:

  • (nome de um amigo) comprou (um objeto) quando tirou férias em (nome de cidade).

Você poderia dizer algumas destas frases:

  • João comprou um carro quando tirou férias em Paris.
  • Roberto comprou um ioiô quando tirou férias em Votuporanga.
  • Assis comprou um chapéu quando tirou férias em Sergipe.
  • …e assim por diante…

Como você pode ver, as possibilidades são virtualmente infinitas. É assim com o tarot.

Portanto, se você estiver diante de uma questão difícil de interpretar com as tiragens que conhece de cor, por que não usar algo improvisado, voltado especificamente para seu cliente e para a questão que ele traz a você? Contanto que você foque nas lacunas que determinou, é possível investigar qualquer assunto.

Esse é o método que uso quando diante de uma situação muito inusitada. Qual o seu?

Lidando com a dor

3oSAcabei me deparando com um pequeno poema de Ijeoma Umebinyuo, que pode ser traduzido como Três caminhos para a cura:

  1. Você deve deixar a dor visitá-lo.
  2. Você deve deixar que ela lhe ensine.
  3. Você não deve deixar que ela se demore demais.

Meditando sobre isso, pensei numa tiragem que pode ser utilizada para lidar com a dor que sentimos. Afinal, se aprendermos com nossa dor, estaremos em um constante processo de cura.

Carta 1: Como a dor está se expressando?
Às vezes é algo mais explícito, mas outras é algo mais sutil, confundindo-se com depressão ou raiva, com culpa ou apatia.

Carta 2: O que a dor ensina?
O que tenho de aprender com ela? Quais facetas dela são reflexos do que eu preciso levar para a vida?

Carta 3: Como deixá-la ir embora?
Como posso me libertar dela? O que preciso fazer para que ela vá embora e eu siga meu caminho?

Essas três cartas indicam um dos possíveis caminhos para a cura da dor que sentimos. Deixar que essas dores e mágoas em nossos corações nos ensinem algo e depois partam é fundamental para que possamos crescer e seguir em frente.

E como você lida com a dor?