Ele vai voltar?

3oSJunto com Ele me ama?, Ele vai voltar? é a pergunta que disputa o primeiro lugar entre as feitas pelos clientes. É algo muito comum, principalmente por ser difícil aceitar que certas coisas têm de chegar ao fim.

Às vezes, esse fim é apenas uma pausa, preparando ambos para um retorno verdadeiro.

Outras vezes (a maioria, sinto dizer), o fim é realmente definitivo, por mais que haja apego, dedicação, entrega… e esperança. E por conta disso, você coloca tudo de lado esperando que a pessoa volte: você se fecha para sua vida, e até para novos relacionamentos, procurando encontrar um meio para que vocês voltem a estar juntos…

E aí, com o coração apertado, você vem e me pergunta: Ele vai voltar?

Uma pergunta que, à primeira vista, tem como resposta sim ou não. E eu, usando um oráculo com 78 cartas (e muito mais do que 78 respostas), tenho a vontade inicial de recomendar que você consulte o oráculo da moeda (cara é sim, coroa é não)… Mas a vontade passa e eu começo a embaralhar as cartas, procurando orientar da melhor forma possível.

Veja, o que eu faço é ajudar o cliente a entender a situação em que está e como resolvê-la. Isso é muito mais importante do que simplesmente dizer sim ou não para algo, pois coloca ativamente nas mãos do seu cliente as rédeas do destino. Com a compreensão da situação, cabe a ele decidir seguir em frente com sua esperança (enfrentando os desafios) ou deixar isso para trás.

Para tanto, sugiro a seguinte tiragem com 4 cartas, que chamo de sidecore (baseado nas iniciais das posições das cartas):

  1. Situação: onde você está agora, o que você está realmente vivenciando.
  2. Desafio: colocada de maneira cruzada sobre a situação, revela os obstáculos a enfrentar.
  3. Conselho: como o tarot lhe orienta neste momento.
  4. Resultado: seguindo o conselho, o que você vai alcançar.

Dessa maneira, ao invés de simplesmente dizer se ele vai voltar, eu mostro ao cliente o que ele precisa fazer para lidar com a situação e, com isso, atingir um resultado que leve sua vida adiante.

E você, como lida com isso?

Deixe um comentário